O Papa e o Vale

O Padre e Antropólogo José Vicente César foi um estudioso da Doutrina do Amanhecer, acompanhando de perto os trabalhos de Tia Neiva, participando de reportagens e avaliações desde o início do Vale do Amanhecer, fazendo observações criteriosas e pertinentes não só em publicações no Brasil como no exterior, principalmente na Alemanha.

Os trabalhos do Pe. César foram importante veículo para divulgação das atividades do Vale, tanto é, que depois de ter escrito um livro sobre Tia Neiva e a Doutrina, ele foi ao Vaticano e relatou ao Papa João Paulo II tudo o que havia pesquisado sobre a Doutrina do Amanhecer. Depois de ter se inteirado de tudo que o Padre César havia dito e escrito sobre a Doutrina, o Papa João Paulo II, vendo que o Vale não era nenhuma macumba como muitos diziam, mas sim, o Cristianismo aplicado de forma aberta e avançada, concedeu à Tia Neiva e ao Mestre Mário Sassi, ela a fundadora da Doutrina e ele o intérprete que idealizou toda a sua obra literária, uma Bênção Apostólica conferida somente aos Grandes Missionários que erguem a Bandeira Rósea de Jesus. 

A emoção de Tia Neiva ao receber das mãos do padre César a “Benção do Papa”. A admiração deste padre pela sua mediunidade surgiu em razão de uma prova que ela lhe deu da veracidade de sua clarividência, quando o religioso, por curiosidade e incógnito, visitava o Vale do Amanhecer.

Eis o conteúdo deste documento que foi datado em de 1º de março de 1985






BIOGRAFIA DE TIA NEIVA

Com a aproximação do Terceiro Milênio, surgiu a necessidade de mais uma vez ser feita a integração das raízes capelinas neste planeta.
Um espírito foi preparado, na Espiritualidade Maior, para trazer à Terra a Doutrina de Pai Seta Branca, após experiência de muitos milênios, portando a força dos Equitumans, a ciência dos Tumuchy e tendo como principal missão a reunião dos Jaguares e a criação da figura inovadora do Doutrinador, manipulando as forças projetadas pela Corrente Indiana do Espaço e pelas Correntes Brancas do Oriente Maior.
Tendo reencarnado em diversas épocas com papéis preponderantes em suas épocas, como, por exemplo, Pytia, Cleópatra e  Natasha, esse espírito conhecido no mundo espiritual como Koatay 108, portador de 108 mantras de forças, seria, durante esta missão de implantação da Doutrina do Amanhecer na Terra, conhecido como Tia Neiva. Nesta jornada, seria ainda homenageada pela Espiritualidade Maior com o título Agla.
Reencarna no sertão brasileiro, em Propriá, Sergipe, como uma menina que se chamou Neiva, nascida a 30 de outubro de 1925 e que desencarnou em Brasília, DF, no dia 15 de novembro de 1985, já tendo cumprido sua jornada em meio a muitas dificuldades e grandes realizações.
Em 1949, com 22 anos e quatro filhos, Neiva ficou viúva e teve que buscar seu sustento. Começou sua vida profissional em Ceres, onde montou o Foto Neiva, tirando retratos e vendendo material fotográfico, mas teve que desistir, por recomendação médica. Com sua forte personalidade, ela não se deixou abater. Comprou um caminhão e tirou habilitação profissional, a primeira concedida a uma mulher no Brasil, e começou a transportar cargas por todo o país.

Sempre em lutas e preocupações permanentes – os pais, que não aceitavam aquela estranha profissão para uma mulher; os sogros argentinos, que queriam a guarda dos dois seus filhos meninos; os estudos das crianças, etc. – Neiva saiu de Ceres e fez verdadeira peregrinação por outros lugares: Uberlândia (MG), Barretos (SP), Paranavaí (PR) e Itumbiara (GO).      
Em 1957, fixou-se em Goiânia (GO), e passou a dirigir ônibus, porém mantendo seus caminhões em serviço. Nesse mesmo ano, com a oportunidade da construção da nova capital – Brasília -, Neiva mudou-se com a família para o Núcleo Bandeirante, ponto inicial das obras da nova cidade, trabalhando com  caminhões na NOVACAP. 
Estava com 32 anos quando sua mediunidade se abriu, revelando-se sua clarividência. Durante mais um tempo, Neiva via e ouvia os espíritos e podia prever o futuro e revelar o passado das pessoas, o que a deixava desesperada por ter tido uma formação familiar rigorosamente católica.
Sua trajetória, então, passou por penosa adaptação para aceitação de sua missão.

O potencial de Tia Neiva não pode ser resumido na clarividência, pois ela foi dotada de mediunidade universal, isto é, possuía todos os tipos de mediunidade, qualidade peculiar de um ser Iluminado, pois, segundo a Lei dos Grandes Iniciados, somente um Iluminado pode iniciar alguém.
Essa condição permitiu que, dentro de modesta e simples condições, Tia Neiva vivesse e agisse, simultaneamente, em vários planos existenciais com plena consciência em cada um desses planos, visualizando o passado ou o futuro, traduzindo suas visões em termos coerentes e racionais.
Podia ver e conversar com seres de outras dimensões e de planos inferiores ou superiores, realizava transportes e desdobramentos, o que permitiu que fizesse um curso no Tibete, com o Mestre Humarram, sem que seu corpo físico de deslocasse do Vale do Amanhecer.
Em 1958 deixou o Núcleo Bandeirante, onde começara sua missão espiritualista, e junto com seus filhos Gilberto, Carmem Lúcia, Vera Lúcia e Raul, e mais cinco famílias espíritas, fundou, em 8 de novembro de 1959, a União Espiritualista Seta Branca - UESB, na Serra do Ouro, próximo a Alexânia, Goiás, dando início à missão que recebera de Pai Seta Branca. Em um rústico templo iniciático, pacientes eram atendidos pelos médiuns que ali residiam, em construções de madeira e palha. Tia Neiva mantinha ali, também, um hospital e um orfanato com cerca de oitenta crianças. Plantavam, faziam farinha para vender, pegavam fretes, e tudo era válido para ajudar na manutenção do grupo.

Em 9 de novembro de 1959, Tia Neiva ingressou na Alta Magia de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Em 1964 mudou-se para Taguatinga, onde funcionou a Ordem Espiritualista Cristã, e sendo Tia Neiva mais uma vez internada por causa da tuberculose.

Após trabalhosa busca para encontrar o local certo para se fixar, Tia Neiva e seu grupo chegaram a Planaltina, DF, em 9 de novembro de 1969, onde fundou o atual Vale do Amanhecer.

Pela Doutrina, Tia Neiva implantou a importante conduta doutrinária em seus médiuns, capacitando-os ao atendimento sob a ação das forças iniciáticas, sem precisar da manifestação dos pacientes, que não precisam revelar quem são, o que fazem ou de onde vêm.

Vivificando o Evangelho de Jesus, simples e humana, foi Tia Neiva uma grande mãe para todos nós, sempre nos tratando com amor e carinho, compreensão e tolerância, suavemente nos impondo o respeito e a obediência a ela devidos como líder de uma Corrente cuja grandeza e limites não podemos alcançar.

Sua vida, suas dificuldades, seu sofrimento, sua Doutrina, de tudo consta uma grande parte nos diversos trabalhos editados  pelo Vale do Amanhecer - “Sob os Olhos da Clarividente”, “2000 - A Conjunção de Dois Planos” e “Minha Vida, Meus Amores”.

No Evangelho de João (XIV, 12 a 17 e 26), nos é transmitida a palavra de Jesus: Na verdade vos digo que aquele que crê em mim também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas, porque eu vou para meu Pai! E tudo quanto pedirdes em meu nome, eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho. Se pedirdes alguma coisa em meu nome, eu a farei! Se me amardes, guardareis os meus mandamentos. E eu rogarei ao Pai e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre: o Espírito da Verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece; mas vós os conheceis, porque habita convosco e estará em vós! Mas aquele Consolador  - o Espírito Santo – que o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito!

 Na Doutrina do Amanhecer, sabemos que somos espíritos imortais, dotados de livre arbítrio e da consciência de nossas missões, trazendo em nosso espírito as marcas das vivências em diversos mundos, em diferentes épocas, buscando o nosso desenvolvimento para que melhor possamos manipular as forças que nos competem, agindo na Lei do Auxílio em benefício de nossos irmãos encarnados e desencarnados, aliviando nosso carma pela Lei de Causa e Efeito, procurando a afinidade com nossos irmãos evoluídos e a harmonia com os Espíritos de Luz, através da busca do conhecimento e aprimoramento de nossa conduta doutrinária.

E tudo isso devemos à nossa Mãe Clarividente, Tia Neiva, Koatay 108, que representa, para nós, aquele ESPÍRITO DA VERDADE, porque nos trouxe uma nova esperança, através desta Doutrina que nos libertou de dogmas religiosos e superstições, fazendo, em nossas mentes, a substituição de velhos ensinamentos, que exigiam a fé cega e desprezavam a razão, por noções simples e claras, com bases científicas, com idéias diretas e profundas que nos permitem entender o Universo que nos cerca, buscando o precioso veio da verdade nas diferentes correntes, religiões, seitas e filosofias, onde podemos buscar as grandes linhas trazidas de Capela, nos harmonizando e conciliando a Fé e a Ciência que nos impulsam para a Nova Era.

Tia Neiva era portadora de 108 mantras, forças de origem extra-cósmica, que implantou nos trabalhos do Amanhecer. 108 é um número cabalístico. Temos, no budismo, 108 imperfeições humanas; são, no hinduísmo, 108 os nomes do deus Krishna; na China, a astrologia nomeia 108 estrelas sagradas. Quando da energização da Estrela Candente, no Vale, Tia Neiva preparou 108 portais de desintegração, um em cada esquife, para as passagens dos espíritos trabalhados no ritual. 

Em mensagem de 9 de abril de 1978, Tia Neiva nos disse: “... É somente pela força do Jaguar, nesta Doutrina do Amanhecer, e na dedicação constante de nossas vidas, por amor, que podemos manipular as energias e transformar o ódio, a calúnia e a inveja em amor e humildade, nos corações que, doentes de espírito, permanecem no erro. Quantos se perdem por falta de conhecimento e por não terem a sua lei. Nós temos a nossa Lei, que é o amor e o espírito da verdade! Vamos amar, e na simplicidade de nosso coração, distribuir tudo o que recebermos, na Lei doAuxílio, aos nossos semelhantes...”  Fazemos aqui apenas este registro singelo, como uma pequena homenagem a este grandioso espírito.
JURAMENTO DE TIA NEIVA

“Jesus! No descortinar desta missão, sinto renascer o espírito da verdade na missão que me foi confiada: o Doutrinador!

É por ele, e a bem dele, que venho, nesta bendita hora, Te entregar os meus olhos.

Lembra-Te, Senhor, de protegê-los até que eu, se por vaidade, negar o Teu santo nome, mistificar a minha clarividência, usar as minhas forças mediúnicas para o Mal, tentar escravizar os sentimentos dos que me cercam ou quando, desesperados, me procurarem. Serei sábia, porque viverás em mim!”

Tia Neiva, Juramento, 1.5.58)



 BIOGRAFIA DO MESTRE MÁRIO SASSI-TRINO TUMUCHY

Mário Sassi nasceu a 29 de novembro de 1921, à rua do Oriente, 96, no bairro do Brás, em São Paulo, Capital, num ambiente social de negociantes judeus. De família pobre e simples, pais desajustados, vivendo em ‘cortiço’, como eram conhecidas as ‘favelas’ de então, passou por muitas necessidades, sofrendo imenso por não ter oportunidades de desenvolver seus cabedais intelectuais. Essas dificuldades passadas na fase inicial de sua reencarnação foram importantes para a sua jornada junto a Tia Neiva, quando ingressou na Doutrina do Amanhecer. 

Fez o curso de madureza em 1945, na Escola Dr. Souza Diniz, da Praça da Sé, e no ano seguinte, conseguiu um diploma de ginásio em Jacarezinho, Norte do Paraná. Depois, na Vila Mariana, cidade de São Paulo, cursou o Científico. Estudou Filosofia e Ciências Sociais na Universidade de São Paulo. Freqüentou cursos de Psicologia, Relações Públicas, Jornalismo e até de Anatomia. Curtiu situações angustiantes durante a juventude, porque seus pais eram de condições modestas, e seu espírito ansiava por amplos e profundos conhecimentos filosóficos e científicos. Entusiasmou-se pelos movimentos leigos da Igreja, foi líder da Juventude Operária Católica - JOC, entretanto, nunca se sentia firme na fé separada da razão.

Ávido de palmilhar caminhos não batidos transferiu-se para Brasília em 1962, quando o País experimentava diversificadas efervescências sócio-políticas. Sob as graças do etnólogo e porta-voz do governo Goulart, Professor Darcy Ribeiro, tornou-se assessor de Relações Públicas da novel Universidade de Brasília, matriculando-se ali na condição de aluno de Ciências Sociais, vivendo momentos de realização intelectual, até que, com a Revolução de Março de 1964, passou, como a maioria dos universitários, a ser visado pelo novo regime implantado no Brasil. Nessas circunstâncias adversas, insatisfeito e sentindo-se irrealizado no contexto da fé católica que, a seu ver, lhe não oferecia oportunidades de alargar-se em suas aspirações espirituais e sociais, entrou casualmente em contacto com Tia Neiva, em 1965, quando ela entrava no sétimo ano de suas manifestações  mediúnicas.

Neiva entrava nos quarenta anos de vida, e Mário, nos quarenta e quatro. O espírito perfeccionista de Sassi estava à procura de uma mulher ideal que o completasse em suas aspirações intelectuais. Tia Neiva iria domar e dominar esta personalidade máscula, fazendo-o assumir sua transcendental missão de divulgação para o mundo da nova Doutrina do Amanhecer. Cumpria-se, assim, um reencontro de determinação cármica, e Tia Neiva preparou cuidadosamente a jornada de Mário Sassi na Doutrina, principalmente sua adaptação ao novo sistema de vida, bem diferente daquele ao qual ele já se havia acomodado. Desconforto, privações, enfim, dificuldades de toda ordem que seriam um desafio para aquele intelectual que se engajava no grupo de missionários de pequeno nível cultural, fazendo-o reviver sua infância difícil.

Consagrado, em 1978, como Trino Presidente Triada TUMUCHY, Mário tornou-se o Intérprete da Doutrina, responsável pelo acervo de Koatay 108, suas aulas, gravações, livros e fascículos doutrinários. Direcionado à Evangelização, foi um Raio de Koatay 108 na Linha do Amanhecer, com todos os Atons de força e poder. 

Tumarã se projeta no Tumuchy, formando três Atons. 3 Atons = 3 Raízes = 3 Poderes! Três poderes de Tumuchy, Três poderes de Arakém! Três poderes diferentes, porém com forças iguais. Os Tumuchys ou Tumarãs se elevam às grandes pesquisas filosófico-doutrinárias e nas grandes emissões científicas.

Pai Seta Branca, incorporado em Tia Neiva, fez a Iniciação do Trino Tumuchy, e lhe disse: “Você é um missionário de Deus e, em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, terá que anunciar as premissas da civilização do Terceiro Milênio, recebidas por intermédio desta médium Clarividente. Você dará testemunho do Espírito da Verdade, cuja missão é marcar a transição milenar. Os três anos que teve de aprendizado e disciplina seriam poucos de não fosse a grande bagagem de que é portador, pelas vidas que já teve neste planeta. Hoje mesmo dar-lhe-ei provas dessas vivências transcendentais. Mas não tente, nunca, ultrapassar a verdade, pois o Homem se alimenta apenas daquilo de que se pode dar testemunho. A transição real irá começar em 1984, quando Capela, o Planeta Monstro, fizer sentir à Terra sua aproximação. Abrirei para você um novo mundo e você escreverá com o Espírito da Verdade. A Clarividente, que coloco à sua disposição, tem seus olhos entregues a Nosso Senhor Jesus Cristo. Também você confiou a Ele sua paz e sua tranqüilidade, cujo penhor é a ausência de qualquer deslize moral. Tudo será feito pelo amor de um Deus todo poderoso e estarei aqui sempre que você precisar de alguma afirmação.” 

O Trino Tumuchy sempre esteve ao lado de Tia Neiva, atendendo os visitantes e a imprensa, principalmente filósofos e cientistas que buscavam explicações sobre a crescente Doutrina do Amanhecer, seus princípios e seus trabalhos mediúnicos, esclarecendo os fatos ligados à jornada dos Jaguares. Como parte importante de sua missão, além de numerosas aulas e reuniões evangélicas, escreveu muitos trabalhos doutrinários, inclusive os livros “Sob os Olhos da Clarividente”, “No Limiar do Terceiro Milênio” e “2000, a Conjunção de Dois Planos”, obras que condensam toda a filosofia de nossa Doutrina.

Mestre Mário Sassi, o Trino Tumuchy desencarnou em 25/12/94. Em 03/11/96, durante a Bênção de Pai Seta Branca no Templo-Mãe, o Ministro Tumuchy incorporou e nos disse que estava feliz por ver, naquele dia, o espírito do Mestre Mário Sassi recebendo sua Consagração como Comandante na Legião do Mestre Lázaro.